1.12.09

Crítica: "O Nome do Vento", de Patrick Rothfuss

Edição: 2009
Páginas: 966
Editor: Edições Gailivro
Colecção: 1001 Mundos
P.V.P.: 19,90€


Sinopse: Esta é a história de um jovem extremamente dotado em artes mágicas e que se virá a tornar o mais famoso feiticeiro que o mundo alguma vez conheceu. Da infância como membro de uma família unida de nómadas Edema Ruh até à provação dos primeiros dias como aluno de magia numa universidade prestigiada, o humilde estalajadeiro Kvothe relata a história de como um rapaz desfavorecido pelo destino se torna um herói, um bardo, um mago e uma lenda. O primeiro romance de Rothfuss lança uma trilogia relatando não apenas a história da Humanidade, mas também a história de um mundo ameaçado por um mal cuja existência nega de forma desesperada. O autor explora o desenvolvimento de uma personalidade enquanto examina a relação entre a lenda e a sua verdade, a verdade que reside no coração das histórias.


Sobre o autor: Patrick Rothfuss, o autor, nasceu no Wisconsin, onde os longos invernos e a ausência de televisão por cabo ajudaram a desenvolver a paixão pela leitura e pela escrita. A sua mãe lia-lhe histórias quando era criança e o seu pai ensinou-o a construir coisas. Se procuram a génese da sua arte de contar histórias é aqui que a vão encontrar. Pat ainda vive no Wisconsin e continua a não ter televisão por cabo e os longos invernos obrigam-no a ficar em casa e a escrever. Quando não está a ler ou a escrever, entretém-se com jogos de vídeo, organiza tertúlias em casa e brinca com alquimia na cave. Ele adora o mundo e as personagens que criou mas adora, especialmente, que as pessoas tenham a oportunidade de os conhecrem.
_________________________
Opinião: Num mundo onde o mistério, a magia, o sofrimento, a destreza e a força dominam, Patrick Rothfuss estreia-se da melhor forma possível!

O Nome do Vento é o primeiro livro da trilogia Crónica do Regicida e a estória é-nos contada na primeira pessoa, pelo próprio Kvothe.
Quem diria que um simples estalajeiro teria tanto para contar?
Pois bem, esta é uma estória de magia, de amor, de tristeza de fantasia, de música, de dificuldade e humana.
Patrick Rothfuss conta-nos o primeiro dia de três longos dias onde contará a sua verdadeira estória, sem qualquer boato - apenas a verdade!
A um ritmo alucinante e totalmente viciante, Kvothe conta-nos as suas aventuras desde os tempos em que vivia com a sua trupe nómada e alegre. É numa dessas viagens que entra em contacto com a magia.
Fascinado pela forma como um velho arcanista chama o vento, Kvothe convida-o a ingressar para a sua trupe - os Edema Ruh.
Desta forma inicia uma amizade e aprendizagem na esperança de conhecer o nome do vento. A sua incontestável inteligência leva a que o seu professor aconselhe aos seus pais a mandá-lo para a universidade para continuar os seus estudos...
Já sem a companhia do seu amigo e professor, a trupe é massacrada enquanto Kvothe deambula pela floresta. Quando volta, depara-se com corpos de família e amigos mortos e com um grupo de pessoas ao redor da fogueira dos seus pais. Os Chandrian.
Depois de vários anos ao sabor das dificuldades de um órfão mendigo, Kvothe é relembrado por um contador de histórias o que a sua memória tentou esquecer, despertando em si a antiga vontade de entrar na universidade.
Já na universidade, Kvothe torna-se numa lenda pela sua inteligência e singularidade logo nos primeiros dias, arrecadando inimigos como Ambrose e o professor Hemme.
Kvothe vai vivendo cada dia procurando uma forma de pagar as suas propinas e quarto.
Com a ajuda do seu amado alaúde, consegue fazer chorar, encantar e brilhar perante a sua plateia. Este foi um dos grandes momentos deste livro, onde Rothfuss conseguiu uma descrição potente e muito bem concebida.
Neste livro há também lugar par o romance onde Kvothe é um completo inocente e inexperiente sobre o assunto. Com Denna, as suas palavras falham (algo realmente anormal vindo da nossa personagem!), é com ela que brilha no palco, é com ela que vê pela primeira vez um draccus, uma espécie de dragão vegetariano que se viciou na resina de uma árvore e coloca em perigo a população.
Este livro não se baseia num herói sem defeitos, mas sim na estória de um jovem que, com os seus defeitos e virtudes, se tornou numa lenda!
O fim deste livro deixa muitas questões em aberto que parece que vão demorar um bocadinho de tempo a serem respondidas já que o segundo livro ainda está a ser escrito!
Recomendo mesmo a leitura da nova aposta da Gailivro. Não percam aquele que é um excelente livro de literatura fantástica! Altamente recomendado! - Tatiana








3 comentários:

PallasAthena disse...

Já está embrulhadinho à espera da noite de Natal, juntamente com mais 3 livros, isto sem contar com os que ainda vou receber :D

Alice disse...

Olá
Têm um miminho à espera no nosso blog...
Bjs das manas

Páginas Desfolhadas disse...

Olá:

Têm um selinho natalício no Páginas à tua espera!

Feliz Natal e Boas Leituras!